TREM CAIPIRA

 

 

ENGENHEIRO SCHMITT - Sub-distrito de São José do Rio Preto/SP

Linha-tronco - km 218,920 (1933) SP-0322

Inauguração: 01.10.1912

Uso atual: moradia com trilhos

 

HISTÓRICO DA LINHA

 

A Estrada de Ferro de Araraquara (EFA) foi fundada em 1896, tendo sido o primeiro trecho aberto ao tráfego em 1898. Em 1912, já com problemas financeiros, a linha-tronco chegou a São José do Rio Preto. Somente em 1933, depois de ter sido estatizada em 1919, a linha foi prolongada até Mirassol, e em 1941 começou a avançar mais rapidamente, chegando a Presidente Vargas em 1952, seu ponto final à beira do rio Paraná. Em 1955, completou-se a ampliação da bitola do tronco para 1,60m, totalmente pronta no início dos anos 60. Em 1971 a empresa foi englobada pela Fepasa. Trens de passageiros, nos últimos anos somente até São José do Rio Preto, circularam até março de 2001, quando foram suprimidos.

 

A ESTAÇÃO

 

A estação de Engenheiro Schmidt foi aberta em 1912, e permanece na linha desde então, mesmo com a retificação e alargamento de bitola entre 1950 e 1955. A implantação da estação pela ferrovia dá origem ao vilarejo em volta, que aparece em 1913. Não encontrei nenhuma indicação escrita que confirme que o prédio atual é o mesmo que teria sido construído em 1912. O sobrenome do engenheiro Karl Ebenhardt Jacob Schmidt (tt), ou simplesmente Carlos, como era chamado, é considerado errado pela Prefeitura, que afirma hoje que o nome correto era Schmitt, mas a maioria dos sobrenomes alemães com este nome é grafado como Schmidt. O engenheiro era alemão, nascido em 1850, e chegou ao Rio de Janeiro em 1880, seguindo dali para Rio Claro, SP, onde se casou. Trabalhou em diversas ferrovias no Estado, e era chamado em Araraquara, uma das cidades onde trabalhou, de Alemão das Mulas, pois percorria o Estado montado numa mula. Em que a Prefeitura se basearia para dizer que o nome original do distrito estava errado? Com tt ou dt, o povoado cresceu rapidamente e O distrito é criado em 1927; Está fechada há anos, e servindo como moradia. Em 1986, já desativada, era recomendada a demolição do prédio da estação pela Fepasa, mas o prédio milagrosamente sobreviveu desde então. Em 2009, existe um projeto de reforma para a estação; quer-se estabelecer uma "litorina turística" entre a estação e a estação central de São José do Rio Preto.

 

         

 

 

PATROCINADORES